Projetos de inclusão produtiva empoderam população em situação de vulnerabilidade

Atender usuários em situação de vulnerabilidade social, com foco na economia sustentável e na geração de renda. É com este propósito que a Secretaria de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social (Seades), por meio da Gerência de Articulação e Inclusão Produtiva, elaborou e executou diversos projetos de inclusão social em Alagoas durante o ano de 2018.

Ao todo, oito projetos já foram aprovados com recursos oriundos do Fundo de Combate a Erradicação e Pobreza (FECOEP) e Recurso do Fundo Estadual de Assistência Social, totalizando R$ 1.141.913,90. Em geral, são projetos que envolvem aproximadamente mil pessoas, entre crianças, jovens, adultos e idosos.

Uma das instituições beneficiadas com a capacitação em corte costura e artesanato foi o Centro de Recuperação e Educação Nutricional (Cren), que há 11 anos potencializa a transformação social e resgata vida de crianças de 0 a 6 anos, enfrentando, principalmente, a subnutrição e a obesidade infantil.

Além da ajuda nutricional às crianças, o Cren é um espaço renomado de pesquisa e desenvolvimento de metodologias de atendimento, que conta com a participação de alunos, professores e pesquisadores de várias universidades do Brasil.

O projeto de inclusão produtiva e social, aprovado pelo Fecoep, beneficia mães de crianças atendidas, que formam o coletivo Arteando. O intuito é inseri-las no setor produtivo e apoiar o ingresso dos produtos confeccionados aos mercados consumidores. O valor repassado, de R$ 75.574,95, transformou-se na campanha Vista Cren, realizada durante todo o mês de novembro na Galeria Gamma, situada na Jatiúca.

Sob direção da estilista alagoana Alina Amaral, a mostra apresenta estampas exclusivas da artista visual Vera Gamma e bordadas pelas mães das crianças assistidas pelo centro. Cada peça custa R$150,00 e o valor é revertido totalmente à ONG. Além das camisetas, a artista também está expondo quadros dentro da mesma temática do evento. A exposição com o tema “Arte que Nutre” terá 40% do valor das obras também será revertido ao Cren.

“As mulheres são as bordadeiras que – antes sem nenhum conhecimento de bordado – vêm aprendendo há cinco meses algumas técnicas de handmade. Elas executam os bordados sob a minha supervisão e direção criativa. São mulheres que sonhavam ter uma atividade criativa que não as tirasse tanto das suas casas e que as empoderasse – cada uma com a sua realidade e histórias de lutas, dificuldades. Sendo assim, acho que um momento de muita entrega e esperança”, afirmou Alina.

O secretário Fernando Pereira afirma que, assim como o Centro de Recuperação e Educação Nutricional, outras instituições de diversos municípios já estão tocando projetos com o recurso em conta, exemplo de Palmeira dos Índios, Arapiraca, Maceió e Jaramataia. Na maioria, projetos que trabalham com confecções de roupas, corte e costura.

 “O que estamos proporcionando para as populações da capital e interior é o acesso a oportunidades de ocupação e consequentemente, geração de renda. Mais do que isso, estamos assumindo um compromisso importante com milhares de famílias alagoanas, dando a oportunidade delas se emponderarem e desenvolverem suas habilidades”, ressalta.

Ascom – 29/11/2018